Rubens Prata, CEO da Stato Consultoria de RH

O título de mestre é cada vez mais bem avaliado pelas empresas e é o curso certo para quem quer se desenvolver profissionalmente. Para falar sobre esse assunto, conversamos com Rubens Prata, CEO da Stato Consultoria de RH. Veja como foi a entrevista:

Por que os profissionais com mestrado se destacam no mercado de trabalho?

Em um mundo de respostas rápidas e vazias, opiniões formadas sem base clara e confiável e apoiada em expoentes midiáticos, empresas em geral vêm sofrendo na seleção e contratação de profissionais sólidos e consistentes.

O tempo dedicado ao mestrado e a metodologia científica apresentada para o desenvolvimento dos temas requerem raciocínio lógico e estruturado, o que no mundo atual é uma das competências mais ambicionadas por empresas. É o que as empresas simplificam com a competência descrita como capacidade de se comunicar clara e objetivamente, criar storytelling.

Os conteúdos estão totalmente disponíveis nesse mundo digital, igualando os profissionais em geral, mas somente aqueles dotados de estrutura lógica e de construção de cenários e hipóteses são capazes de aplicar esses conhecimentos onde e como eles realmente importam. Este diferencial, somente o mestrado é capaz de criar.

Como um profissional com o título de mestre é capaz de agregar valor para a empresa e influenciar na obtenção de melhores resultados?

As competências e valores humanos como comprometimento, dedicação, entusiasmo, em geral, se aplicam a todos os profissionais, tenham estes mestrado ou não. A forma diferenciada de um mestre ampliar sua contribuição é desafiando o status quo da simples entrega de tarefas, e conseguir dar “sentido de todo” para aquilo que precisa e deve ser feito. Ajudar lideranças e colegas a construir um modelo de análise e tomada de decisão, buscar raízes que explicam fenômenos e não apenas a execução simples e descomprometida é parte da contribuição adicional de profissionais com tal qualificação.

Com a conclusão de um mestrado, o profissional consegue realizar uma mudança na carreira, caso esse seja o seu interesse?

É muito importante entender o valor adicionado à carreira para um profissional que conclui um mestrado. Sua contribuição se torna diferenciada quando combina os conhecimentos profissionais, sólidos e adequados, às competências obtidas no mestrado. Em geral, é preciso haver uma convergência de interesses entre empresa e profissionais para que o mestrado não surja como um eixo de carreira acadêmico, e sim, como ampliação de conhecimentos profissionais. O conhecimento é feito para “dividir”, “distribuir”, e, se não for buscado com expectativas de aplicar e mudar rumos profissionais, humanos e empresariais, certamente foi mal escolhido.

As empresas têm buscado mais profissionais com títulos de mestre?

Eu diria que, por enquanto, as empresas têm mais reagido do que liderado o tema.  Empresas são quase sempre as direcionadoras de carreiras e focos de estudos, quando apontam a direção de seus negócios e os profissionais entendem e buscam a competência necessária para liderar e fazer parte deste futuro.

Pela primeira vez eu vejo as academias se antecipando aos negócios e formando profissionais antes que as empresas pudessem “decidir” por esta direção. Para mim, esta é a grande virada para a construção do desenvolvimento humano, ou seja, os centros de estudos não estarem a reboque dos negócios, mas sim, serem os propulsores do desenvolvimento, papel inegável da educação. Em pouco tempo as empresas reconhecerão tal diferencial e este “diferencial” será exigência, requisito de acesso aos empregos futuros.

Leia mais sobre a importância do mestrado em nosso post “Mestrado em foco: Academia e Mercado se aliam para melhoria das organizações”.

Quer saber mais sobre o programa de mestrado do Ietec? Clique aqui e confira todas as informações.