Ao longo de minha carreira profissional, de mais de três décadas, prestando serviços na gestão e operacionalização de atividades industriais nos mais diversos segmentos do mercado, desde injeção plástica, siderurgia, estamparia, farmacêutica, alimentação humana e de ruminantes, mineração, dentre outros, tenho percebido o aumento significativo da força feminina atuando em ambientes, atividades e funções, até então tidas como exclusivamente masculinas.


O que mais chama a minha atenção é esse “atrevimento profissional” que as impulsiona para atuar na área da Manutenção. Á cada dia aumenta mais o número de mulheres atuando na gestão, programação, operacionalização e na liderança de equipes nessa Área.


São mulheres normais, vaidosas, que cuidam dos cabelos em salões especializados, praticam os mais variados tipos de dança, praticam esportes, cuidam da família, da casa, da escola dos filhos, pintam os olhos para irem trabalhar porém, elas não têm medo de colocar a “mão na graxa”.

Devido á capacidade de serem mais detalhistas, atenciosas, cuidadosas , de fortalecerem o trabalho em equipe, focar na resolução de problemas, pro atividade e vontade para aceitar e encarar novos desafios, possuírem um aguçado instinto administrativo / financeiro e de trazerem um “ ar” muito mais agradável ao ambiente, muitas empresas estão voltadas para “captar esse novo negócio”, porém, infelizmente, o numero de mulheres capacitadas para atuar nas tarefas de manutenção ainda é pequeno, diante das necessidades e grande demanda dessas empresas.


Como Professor, atuando á mais de vinte anos, em cursos Técnicos Profissionalizantes, Graduação Superior e em Pós Graduação em diversas disciplinas na Área Industrial, tenho percebido, á cada turma formada, o aumento do número de mulheres, especialmente nos cursos de Pós Graduação em Engenharia de Manutenção, e, acredito, que isso deve-se ao fato delas já terem enxergado esse novo grande negocio chamado Manutenção.


São profissionais que já atuam ou desejam atuar nessa Área e buscam mais conhecimento, capacitação técnica, melhores formas para gerir pessoas e salários melhores, já que, geralmente, elas recebem salários menores que os profissionais masculinos que desenvolvem as mesmas atividades .


Grandes empresas, como a aviação civil, militar, agronegócio, mineradoras, tecnologia da Informação, e outras, já possuem, á bastante tempo, “Mulheres Graxeiras” atuando, com maestria, nessas atividades. Empresas de vários outros setores também já descobriram esse filão de vantagens e estão investindo na busca dessas profissionais, hoje largamente disputadas pelo mercado.


O mundo mudou. Elas estão saindo na frente, estão se capacitando á cada dia mais, estão enfrentando, sem medo, um mercado onde os Homens eram, até então, donos absolutos das atividades,

Sejam muito bem vindas “Mulheres Graxeiras”.
Se cuidem “Marmanjos”!

Arildo Rodrigues
Professor / Coordenador Técnico do curso de Pós Graduação em Engenharia de Manutenção do Instituto de Educação tecnológica – IETEC.