Ele é o responsável pela prevenção dos impactos ambientais e poluição no ambiente corporativo, sempre pensando em produzir mais com menos

Um levantamento do Programa de Estudos do Futuro da Fundação Instituto de Administração (FIA), de mapeamento de tendências de carreira até 2020, mostrou que a área ambiental é das mais promissoras e acena com profissões relativamente novas. Uma delas é a engenharia e gestão ambiental, que busca combinar em uma única equação desenvolvimento e sustentabilidade.

“O maior desafio que o mercado encontra é o da mudança de modelo de desenvolvimento. Como sair do atual modelo predatório e insustentável para uma nova ordem, sustentável em todas as dimensões, sendo que cada vez mais aumenta-se as pressões, seja das regulamentações, comunidade e mesmo de empresas concorrentes? Esta é a pergunta que temos que responder todos os dias”, analisa o engenheiro especializado em meio ambiente Antônio Malard, coordenador técnico da pós-graduação em Engenharia Ambiental do Instituto de Educação Tecnológica (IETEC).

De acordo com o especialista, as empresas devem ter o entendimento que investir em projetos ambientais é, além de necessário, altamente lucrativo. “Ao implementar projetos ambientais evita-se problemas e conflitos socioambientais a longo prazo, que além de configurarem como grande despesa, prejudicam a imagem da empresa. Além disso, diversos projetos ambientais têm como resultado, além da preservação do meio ambiente, redução de custos operacionais”, analisa. O especialista cita como exemplo projetos visando o aproveitamento e a reciclagem ou diminuição da geração de resíduos. “Os benefícios podem ser diversos, desde a redução do custo do gerenciamento dos resíduos, custo evitado com a compra de matéria-prima e insumos, além da redução do custo do risco em manter os resíduos e ganho com comercialização de novo material, entre outros”, explica.

Foi justamente pensando nesse boom da área que a gerente de contratos da Cemi, Karina Lisboa, procurou o IETEC. “Quando decidi fazer o curso, meu objetivo foi abrir a possibilidade de mudança de área de atuação e de adquirir novos conhecimentos. Ele me ajudou a ter um novo olhar sobre os projetos e estudos, priorizando aspectos ambientais dos processos, e não apenas fatores técnicos relacionados à produção”, analisa.

O profissional da área ambiental deve sempre atuar na prevenção dos impactos ambientais e poluição, mas também saber que é fundamental ter produtividade, portanto deve pensar em produzir mais com menos. Para isso, de acordo com o especialista, é fundamental ter um domínio do processo produtivo, sempre visando a eficiência energética e uma baixa geração de resíduos. “Isso, aliado às oportunidades de adoção de boas práticas ambientais são pontos essenciais para a adequada combinação de desenvolvimento e sustentabilidade”, enfatiza Malard.

Autor: Harley Pinto