Reduzir estoques é uma forma de reduzir a necessidade de capital de giro de uma empresa com efeito direto no resultado líquido.

Dentre os diversos tipos de materiais utilizados nas indústrias temos o MRO que são sobressalentes para manutenção das máquinas e equipamentos. O custo de se manter o estoque de MRO varia de 20% a 25% do valor do estoque ao ano. Este custo inclui a depreciação, a obsolescência, o manuseio, a estocagem e o custo de oportunidade do capital que poderia estar investido nas operações ou no mercado financeiro. Por outro lado, o custo da falta de um determinado item pode levar a parada de produção com perdas bem maiores que o custo do item em estoque. Desta forma uma empresa que busca a eficiência operacional e financeira não pode negligenciar a gestão de estoques destes materiais.

 Quais são os pré-requisitos para uma boa gestão de estoques de MRO?

  •  Governança adequada com segregação de funções e metas balanceadas e compartilhadas com os usuários. É desejável que a gestão de estoques não fique com o usuário do MRO, a área de Manutenção.
  •  Medição do atendimento do estoque. É imprescindível saber qual é a eficiência do estoque, o quanto ele atende as necessidades do usuário.
  •  Alta confiabilidade do inventário. A divergência entre o saldo físico e o saldo indicado no ERP deve ser menor que 3%. Quanto menor melhor.
  •  Correta classificação de criticidade. Os itens MRO devem ser classificados quanto ao impacto de sua falta nas operações da empresa. Normalmente se tem Baixa, Média e Alta criticidade. 
  • Bom ERP ou outro sistema de TI para suportar a gestão. 

O que é uma boa gestão de estoque?

  • A característica básica de um estoque de MRO é a heterogeneidade. Há itens de baixo custo, itens de alto custo, itens “de prateleira” com prazo de entrega curto, itens “sob encomenda” com prazo de entrega longo, itens de alto consumo interno, itens de consumo esporádico, itens com alto impacto nas operações, itens com baixo impacto nas operações etc. Uma boa gestão de estoques deve levar em consideração esta heterogeneidade e tratar de forma diferente os itens que possuem características diferentes. 
  • Outro ponto importante é o contato constante e sistemático daquele que faz a gestão do estoque com o usuário e o comprador. Nestes contatos é possível prever alterações significativas no consumo e no fornecimento de um determinado item. 
  • Por fim, uma boa gestão de estoque deve ser dinâmica e periodicamente rever os parâmetros de estoques (ponto de reposição, ponto máximo, ponto de segurança, LEC etc.). Isto porque o perfil de consumo pode ser alterado em função de alterações nas operações da empresa e o perfil do fornecimento pode ser alterado em função do mercado fornecedor. 

A Gestão de Estoque de MRO eficiente traz o melhor equilíbrio entre “Valor de Estoque” e o “Nível de Atendimento deste Estoque”, reduz riscos de falta de material e reduz a pressão sobre a área de compras à medida que evita compras emergenciais. O próximo passo para se obter a máxima eficiência dos estoques é trabalhar na previsibilidade da demanda – por exemplo reduzindo as quebras para manutenção corretiva – e na previsibilidade de entrega do fornecedor.

Professor da Pós-graduação Ietec em Administração de Compras e Suprimentos e curso EAD Strategic Sourcing.
Email: atila@gerfconsultores.com.br
Website: www.gefconsultores.com.br
Linkedin: linkedin.com/in/atilagomes

Mini currículo:
– Consultor em projetos de Supply Chain em empresas como  CPFL Renováveis, EDP, VIX / Petrobras, ADCOS Cosmética, Paranapanema, Grupo Tristão, Buaiz Alimentos, Bemisa e Lundin Mining.
– Professor no Curso de MBA ”Administração de Compras e Suprimentos” no IETEC / MG.
– Professor no Curso de MBA “Compliance e Governança Corporativa” na PUC / MG.
– Experiência de 19 anos como executivo de Suprimentos na Usiminas, Rio Tinto e Samarco.

Formação:
– MBA em Finanças, Controladoria e Auditoria pela FGV – 2007.
– Pós Graduação em Engenharia Econômica pela FDC – 1998.
– Graduação em Engenharia Elétrica pela PUC MG – 1995.
– Certificado de Engenheiro da Qualidade ASQ USA – 1998.

CONFIRA TAMBÉM: