Em todo o Brasil, são mais de 4 mil startups criando soluções inovadoras para os mais variados problemas. Para se ter uma ideia, somente no ano de 2015 esse setor cresceu 30% e, de acordo com a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), em no máximo duas décadas, essas empresas de base tecnológica serão responsáveis por 5% do Produto Interno Bruto (PIB). 

Você já parou para pensar o que faz com que o número de startups brasileiras cresça cada vez mais, gerando milhares de empregos e colocando no mercado produtos inovadores ou serviços que atendam às necessidades dos clientes? 

No texto de hoje vamos mostrar 6 métodos utilizados no dia a dia das startups no Brasil e que podem gerar resultados valiosos para os gestores das mais diversas áreas. Confira!

1. Métodos ágeis

Uma startup está sempre correndo contra o tempo. Como, em muitos casos, o investimento inicial é baixo, a equipe tem que se apressar para desenvolver um produto o mais rápido possível para atrair algum investidor que se interesse em bancar o negócio.

Ao mesmo tempo, a startup não pode deixar de experimentar as soluções para conseguir lapidar o seu produto da melhor maneira possível.

Desse modo, as decisões não podem demorar demais para serem tomadas. Pelo contrário, o empreendedor deve observar as métricas, conhecer o mercado em que está atuando e tomar a decisão mais acertada no menor tempo possível. Estimular o diálogo entre os mais diversos setores da empresa pode ser um bom caminho para agilizar o fluxo de tomada de decisão no seu negócio.

2. Modelo de gestão 

As empresas tradicionais passam a maior parte do tempo pensando em que tipo de produto vão lançar no mercado (e esperam que seus clientes gostem e comprem). O modelo de gestão das startups passou a colocar o cliente dentro desse processo. Qual produto vocês querem que nós lancemos ao mercado? 

Ao estimular essa resposta — e dividir a responsabilidade com o cliente —, a startup ganha de duas maneiras: fideliza o cliente, que se sente especial ao ser consultado sobre o mais novo produto da marca, e garante que as vendas aconteçam, já que seus próprios consumidores participaram dessa decisão. 

3. Empoderamento da equipe

Outro diferencial que pode ser adotado, de alguma forma, em empresas mais tradicionais é a maior autonomia da equipe. Como a hierarquização das funções nas startups não é tão rígida como em outros segmentos, cada membro do time tem a liberdade de atuar, muitas vezes, em mais de uma área.

Isso estimula não só a troca de experiências entre pessoas de formações e vivências diferenciadas, como também a tomada de decisão pela própria equipe, sem que, necessariamente, a cúpula da empresa precise centralizar e validar uma decisão.

4. Manter o foco no foco

Qual é o foco da sua empresa? A resposta para essa pergunta é uma daquelas que deve estar sempre na ponta da língua. É muito comum que uma companhia se perca em um determinado momento, seja pelas oportunidades que aparecem ao longo do tempo ou por uma aposta que nem sempre dá certo.

Ao manter o foco no seu objetivo e, muitas vezes, dizer não para algo que eventualmente surgir pode parecer difícil mas é um exercício que deve ser praticado todos os dias. E aí, qual é o foco da sua empresa?

5. Cultura forte

Uma das marcas características de uma startup é a forte cultura organizacional, que orienta os membros de toda as equipes que fazem parte dela. Os colaboradores de startups no Brasil têm muito claro para si quais são os valores, a missão e as práticas do lugar em que trabalham. E o melhor: se identificam com isso.

A valorização da cultura interna é um dos trunfos para atrair e reter talentos, afinal, um profissional que está satisfeito em uma empresa e acredita no que está produzindo, dificilmente vai querer sair de uma hora para outra.

6. Equipes enxutas

Uma startup, muitas vezes, é uma ideia em que os empreendedores gastam muito tempo tentando validá-la, ou seja, em transformar um produto que seja útil e tenha valor de mercado. Por isso mesmo, é insustentável que uma startup, principalmente em estágio inicial, tenha equipes muito grandes. 

A produtividade, nesse caso, tem menos a ver com o tamanho da equipe e mais com a capacidade dessas pessoas de produzir com os recursos e o ambiente disponíveis. 

Como os gestores estão se adaptando aos métodos das startups no Brasil

A partir do momento em que as startups começaram a se destacar por conta dos métodos inovadores (como os que mostramos acima) e do crescimento vertical que apresentaram, os gestores de empresas tradicionais passaram a rever alguns processos para tornar suas corporações mais atraentes e ágeis. 

Em geral, quando uma startup vai contratar um novo funcionário, ao contrário de uma empresa tradicional, ela não busca a melhor pessoa com um currículo extenso para uma determinada função. Mas um colaborador que saiba se adaptar em mais de uma função e tenha, principalmente, iniciativa em ajudar em todo o processo.

Dependendo do foco do negócio e de sua necessidade no momento, essa pode ser uma saída incrível: afinal, é possível buscar perfis de colaboradores que possam agregar valor à empresa como um todo e não apenas em uma determinada área. 

Outra novidade é a integração entre os membros da empresa. As startups ficaram conhecidas por disponibilizarem um ambiente de trabalho moderno, sem muitas divisões internas, além de estimular a troca de experiências entre os colaboradores, por meio de hackathons, seminários ou mesmo encontros fora do horário de trabalho.

Mas em que isso pode ajudar a empresa no desenvolvimento de um produto? A partir do momento em que há uma integração maior entre a equipe como um todo, maiores são as chances de gerar inovação, afinal, pessoas com olhares diferentes podem apresentar soluções diferentes para um mesmo problema.

É complicado para uma companhia grande rever todos os seus processos e se adaptar aos métodos das startups no Brasil. No entanto, cada vez mais essas corporações têm se empenhado em criar ou investir em startups para conseguir estimular a criação de soluções que possam agregar valor aos seus produtos e serviços.

Agora que você sabe um pouco mais sobre o mundo das startups no Brasil, aproveite para curtir a nossa página no Facebook e continuar por dentro desse e de outros assuntos relevantes. Até a próxima!